Gotas de Poesia Poesia&Vida

16 de junho de 2020 Off Por Pedro Taunay Graça Couto
13445468_10206890986773421_1379964947953739366_n

5. “Um manifesto, nem isso”, de Italo Diblasi

“Hoje é o aniversário da execuçãode García Lorca e se alguma coisamudou desde então, foi pra pior eu estou na Central do Brasilesperando que alguém me liguecom uma notícia boa não tenho vontade de voltar para casanão tenho vontade de ir trabalhar não tenho vontade de quase nadae espero me apaixonar nos próximos minutos há qualquer coisa de perverso em tudo isso penso em Antônio Conselheiroe em seu cadáver profanado a santidade do mundoé sempre mais perigosaque qualquer diabo uma vez o eremita me sorriuem uma carta de tarô e desde entãotenho colecionado abandonos ocorre-me que talvez estejamosvivendo o apocalipseocorre-me que talvez sejamostodos o anti-cristo tenho profetizado o fim dos temposcom uma vontade agudade que o mundo dê merdae quando isso aconteceé quando estou mais feliz, eu me digo,basta desse teatro – vamos veraté onde eles estão dispostosa levar isso aqui e eles estão dispostos a levara coisa bem longedesde que não tenham que fazeracontecer com as próprias mãos quando eu era pequeno a minha avómatou um porco com as próprias mãosa mesma avó que me limpava o raboe que agora não existe mais admiro o silêncio forçado dos santoso perigo mortal de um pulmão que respira e agora essas crises de risoque me acometem como o chorarmas eu sou mais forte que issoeu lhes digoeu estou estudando a tristezaeu sempre fui bom de estudareu sempre fui bom em ser triste há dias em que sinto certo nojode ser homemgostaria que todos menstruassempara variar às vezes recordo as pessoasque amei e me pergunto se elasestão mais felizes que isso preciso logo colocar uma filha no mundo.”

07ff40df9249b75cb8dfbde8d75fdeda

6. “Antiguidade d’onde viemos”, de Ana Elisa Ribeiro

“Péricles disseque a maior virtudede uma mulherera ficar calada. Péricles se fodeuu. Péricles, hoje,levaria uma surradada por mil mulheres