Arquivos abril 2017

Pedro
Página inicial8
Solicitações de amizade
Messages
Notificações
Ajuda rápida
Configurações da conta

Pedro Taunay
Feed de Notícias
Messenger
ATALHOS

pedrotaunaycouto.com.br

Chess

Poker Brasil

Xadrez Online

Top Eleven Be a Football Manager
Ver mais…
EXPLORAR
Eventos
Grupos
Páginas
Neste dia
Listas de amigos
Ver mais…
CRIAR
Anúncio · Página · Grupo · Evento

Ana Cecilia Clark curtiu uma publicação de SOZED – Sociedade Zoófila Educativa.

Sergio Henrique Duarte curtiu uma publicação de Fabiano Rodrigues de Oliveira.

Aristoteles Drummond foi marcado na foto de Luiz Antonio de Almeida.

Luis Ribeiro compartilhou a foto de Academia Club Tijuca.

Tininha Graça Couto começou uma amizade com Dorinha Velloso.

Maurício Rodrigues-Campos comentou na publicação de Celina Vargas Amaral Peixoto.

Zacha Freire curtiu uma publicação de Felipe Fonte.

Pedro Taunay Couto começou uma amizade com Cristina Cardoso.

Ana Maria Roiter curtiu o link de Operação Lava Jato – Apoio Ao Juiz Sergio Moro.

Marcelo França “Ela/Ella nasceu há 100 anos para nos fazer mais felizes e nos…”

Luizinho Dias comentou na foto de Leonario Tomaz da Silva.

Sandra De Albuquerque Lima começou uma amizade com Toninho Amaral.

Maria Luzia Soterio comentou na foto de Zezé Lhamas.

Lafayette de volta a… em Quinta
Jogos

Ver mais
Patrocinado
Criar anúncio

Glacê de Leite Condensado
mreceitas.com
Glacê de Leite Condensado Que tal preparar esse gracê fica divino e rende muito Veja pass…

Invista em um Ótimo Negócio
Quiosquesparashopping.com.br
Projeto e Construção de Quiosques em até 48 vezes. Fale conosco!
Português (Brasil) · Português (Portugal) · English (US) · Español · Français (France)
Privacidade · Termos · Anúncios · Opções de anúncio · Cookies ·
Mais
Facebook © 2017

Criar uma publicaçãoÁlbum de fotos/vídeosSelecione um arquivo para enviarEscolher arquivosVídeo ao vivo

Escreva algo aqui
Foto/vídeoEscolher arquivos
Sentimento/atividade
Feed de Notícias

Raul de Taunay
16 h ·
POLÍTICA
O espaço fecundo da crítica,
A maneira de agir analítica,
Das ciências sociais, paleolítica;
Acepção raquítica…
Astúcia sem fim, neolítica,
O fermento da massa crítica,
A gaiola da culpa nevrítica,
O relho bastão que futrica,
Que ceifa a manada dentrítica,
Nervosa e gulosa enclítica;
Da classe que goza impolítica
Ao povo que pena na vida,
Resta uma dívida explícita,
Maior que a nossa injustiça,
Mais funda que a birra contida,
Lamúria da causa apodíctica,
Que afana o pão das barrigas
E lesa esta pátria sofrida:
O poder fuzilante da mídia.
(Raul de Taunay, Brasília, 25 de abril de 2017)


Deixa
Deixa a vida seguir sem direção,
Sem porquê nem razão, motivo, tristeza…
Deixa-a seguir o fluxo natural, desconhecido.
Deixa eu me entender pra poder te amar.
Vencer o medo e correr o mundo.
Me cansar pra descansar nos seus braços,
Deixa!…
Somos trevas e luz,
Somos céu azul e dia nublado.
Somos medo e desejo diante
do mistério.
Somos a mais pura
contradição,
Somos e vamos sendo ao
sabor do vento,
Que sopra às vezes brisa,
Às vezes, tempestade.
Somos


Leonardo Lima
Ontem às 16:02 ·
Por Carlos Drummond de Andrade
Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar.
Por isso me dispo,
por isso me grito,
por isso freqüento os jornais, me exponho cruamente nas livrarias:
preciso de todos.
Sim, meu coração é muito pequeno.
Só agora vejo que nele não cabem os homens.
Os homens estão cá fora, estão na rua.
A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu esperava.
Mas também a rua não cabe todos os homens.
A rua é menor que o mundo.
O mundo é grande.
Tu sabes como é grande o mundo.
Conheces os navios que levam petróleo e livros, carne e algodão.
Viste as diferentes cores dos homens,
as diferentes dores dos homens,
sabes como é difícil sofrer tudo isso, amontoar tudo isso
num só peito de homem… sem que ele estale.
Fecha os olhos e esquece.
Escuta a água nos vidros,
tão calma, não anuncia nada.
Entretanto escorre nas mãos,
tão calma! Vai inundando tudo…
Renascerão as cidades submersas?
Os homens submersos – voltarão?
Meu coração não sabe.
Estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
Só agora descubro
como é triste ignorar certas coisas.
(Na solidão de indivíduo
desaprendi a linguagem
com que homens se comunicam.)
Outrora escutei os anjos,
as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
Nunca escutei voz de gente.
Em verdade sou muito pobre.
Outrora viajei
países imaginários, fáceis de habitar,
ilhas sem problemas, não obstante exaustivas e convocando ao suicídio.
Meus amigos foram às ilhas.
Ilhas perdem o homem.
Entretanto alguns se salvaram e
trouxeram a notícia
de que o mundo, o grande mundo está crescendo todos os dias,
entre o fogo e o amor.
Então, meu coração também pode crescer.
Entre o amor e o fogo,
entre a vida e o fogo,
meu coração cresce dez metros e explode.
– Ó vida futura! Nós te criaremos.
Carlos Drummond de Andrade.


Agora ou nunca

Arnaldo Antunes / Marcelo Fromer / Sérgio Britto

Não existe a lei da gravidade
Nunca é a hora da verdade
Nunca se responde uma pergunta
Nunca é o dia de São Nunca

Nunca é
Agora ou nunca é
Nunca

Quem é livre não quer liberdade
Não existe a lei da gravidade
Pode viajar de avião
Pode colocar os pés no chão

Nunca é
Agora ou nunca é
Nunca

Não existirá eternidade
Não existe a lei da gravidade
Nunca existiu o paraíso
Nunca é o dia do juízo

Nunca é
Agora ou nunca é
Nunca


Prá vcs Paulo Leminsk

15 melhores poemas de Paulo Leminski
15 melhores poemas de Paulo Leminski
Carlos Willian LeitePOR CARLOS WILLIAN LEITE
EM POESIA

Pedimos aos leitores e colaboradores que apontassem os poemas mais significativos de Paulo Leminski. Escritor, crítico literário e tradutor, Paulo Leminski foi um dos mais expressivos poetas de sua geração. Influenciado pelos dos irmãos Augusto e Haroldo de Campos deixou uma obra vasta que, passados 25 anos de sua morte, continua exercendo forte influência nas novas gerações de poetas brasileiros. Seu livro “Metamorfose” foi o ganhador do Prêmio Jabuti de Poesia, em 1995. Entre suas traduções estão obras de James Joyce, John Fante, Samuel Beckett e Yukio Mishima. Na música teve poemas gravados por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Guilherme Arantes; e parcerias com Itamar Assumpção, José Miguel Wisnik e Wally Salomão.

Paulo Leminski morreu no dia 7 de junho de 1989, em consequência de uma cirrose hepática que o acompanhou por vários anos. Os poemas citados pelos participantes convidados fazem parte do livro “Melhores Poemas de Paulo Leminski”, organização de Fred Góes, editora Global.

Bem no fundo
No fundo, no fundo,
bem lá no fundo,
a gente gostaria
de ver nossos problemas
resolvidos por decreto

a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela — silêncio perpétuo

extinto por lei todo o remorso,
maldito seja quem olhar pra trás,
lá pra trás não há nada,
e nada mais

mas problemas não se resolvem,
problemas têm família grande,
e aos domingos
saem todos a passear
o problema, sua senhora
e outros pequenos probleminhas.

Dor elegante
Um homem com uma dor
É muito mais elegante
Caminha assim de lado
Com se chegando atrasado
Chegasse mais adiante

Carrega o peso da dor
Como se portasse medalhas
Uma coroa, um milhão de dólares
Ou coisa que os valha

Ópios, édens, analgésicos
Não me toquem nesse dor
Ela é tudo o que me sobra
Sofrer vai ser a minha última obra

Invernáculo
Esta língua não é minha,
qualquer um percebe.
Quem sabe maldigo mentiras,
vai ver que só minto verdades.
Assim me falo, eu, mínima,
quem sabe, eu sinto, mal sabe.
Esta não é minha língua.
A língua que eu falo trava
uma canção longínqua,
a voz, além, nem palavra.
O dialeto que se usa
à margem esquerda da frase,
eis a fala que me lusa,
eu, meio, eu dentro, eu, quase.

O que quer dizer
O que quer dizer diz.
Não fica fazendo
o que, um dia, eu sempre fiz.
Não fica só querendo, querendo,
coisa que eu nunca quis.
O que quer dizer, diz.
Só se dizendo num outro
o que, um dia, se disse,
um dia, vai ser feliz.

M. de memória
Os livros sabem de cor
milhares de poemas.
Que memória!
Lembrar, assim, vale a pena.
Vale a pena o desperdício,
Ulisses voltou de Tróia,
assim como Dante disse,
o céu não vale uma história.
um dia, o diabo veio
seduzir um doutor Fausto.
Byron era verdadeiro.
Fernando, pessoa, era falso.
Mallarmé era tão pálido,
mais parecia uma página.
Rimbaud se mandou pra África,
Hemingway de miragens.
Os livros sabem de tudo.
Já sabem deste dilema.
Só não sabem que, no fundo,
ler não passa de uma lenda.

Parada cardíaca
Essa minha secura
essa falta de sentimento
não tem ninguém que segure,
vem de dentro.
Vem da zona escura
donde vem o que sinto.
Sinto muito,
sentir é muito lento.

Razão de ser
Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso,
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece,
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?

Aviso aos náufragos
Esta página, por exemplo,
não nasceu para ser lida.
Nasceu para ser pálida,
um mero plágio da Ilíada,
alguma coisa que cala,
folha que volta pro galho,
muito depois de caída.

Nasceu para ser praia,
quem sabe Andrômeda, Antártida
Himalaia, sílaba sentida,
nasceu para ser última
a que não nasceu ainda.

Palavras trazidas de longe
pelas águas do Nilo,
um dia, esta pagina, papiro,
vai ter que ser traduzida,
para o símbolo, para o sânscrito,
para todos os dialetos da Índia,
vai ter que dizer bom-dia
ao que só se diz ao pé do ouvido,
vai ter que ser a brusca pedra
onde alguém deixou cair o vidro.
Não e assim que é a vida?

Amar você é
coisa de minutos…
Amar você é coisa de minutos
A morte é menos que teu beijo
Tão bom ser teu que sou
Eu a teus pés derramado
Pouco resta do que fui
De ti depende ser bom ou ruim
Serei o que achares conveniente
Serei para ti mais que um cão
Uma sombra que te aquece
Um deus que não esquece
Um servo que não diz não
Morto teu pai serei teu irmão
Direi os versos que quiseres
Esquecerei todas as mulheres
Serei tanto e tudo e todos
Vais ter nojo de eu ser isso
E estarei a teu serviço
Enquanto durar meu corpo
Enquanto me correr nas veias
O rio vermelho que se inflama
Ao ver teu rosto feito tocha
Serei teu rei teu pão tua coisa tua rocha
Sim, eu estarei aqui

Poesia: