Mês: junho 2017

A alma e a matéria Arnaldo Antunes / Marisa Monte / Carlinhos Brown Procuro nas coisas vagas ciência Eu movo dezenas de músculos para sorrir Nos poros a contrair, nas pétalas do jasmim Com a brisa que vem roçar da outra margem do mar Procuro na paisagem cadência Os átomos coreografam a grama do chão Na pele braile pra ler na superfície de mim Milímetros de prazer, quilômetros de paixão Vem pra esse mundo, Deus quer nascer Há algo invisível e encantado entre eu e você E a alma aproveita pra ser a matéria e viver E a alma aproveita pra ser a matéria e viver © BMG / Acre […]

Eu

Eu, que não me entendo, que não me acho, E que me perco pelas esquinas do mundo, À procura de respostas para essa louca vida, Só acho perguntas. Eu, que tento me desvendar, continuo um mistério. Eu, que tantas vezes desanimo, acabo nadando contra a corrente. Eu, que quando pareço derrotado, Redobro as forças, recomeço tudo. Eu, que com todas as dificuldades da vida, Teimo, E continuo com meu sorriso insiste

O nome de Hilda Hilst certamente merece lugar de destaque na literatura brasileira. Poeta enigmática, instigante e, para muitos, estranha e hermética, Hilda é um dos grandes nomes de nossas letras, indispensável voz feminina em nossa poesia. Foi poeta, dramaturga, ficcionista, nasceu no interior do estado de São Paulo, na cidade de Jaú, no dia 21 de abril de 1930 e faleceu em Campinas, no dia 04 de fevereiro de 2004. Deixou uma grande e intensa contribuição para nossa literatura, e continua despertando o interesse de leitores e estudiosos de sua obra. Em 1948 inicia seus estudos de Direito na Faculdade do Largo do São Francisco, em São Paulo. Mulher […]

Luana Alves Literatura 1 Comment Poeta, crítico de arte, tradutor e ensaísta. Ferreira Gullar é considerado como o maior poeta vivo da literatura brasileira. Um dos nomes mais importantes de nossas letras, José Ribamar Ferreira iniciou sua carreira no ano de 1940, em São Luís, Maranhão, sua cidade natal. Em 1951 transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde colaborou com diversas publicações, entre elas revistas e jornais, além de ter participado ativamente da criação do movimento neoconcreto. A poesia de Ferreira Gullar sempre destacou-se pelo engajamento político. Por meio da palavra, Gullar fez da poesia um importante instrumento de denúncia social, especialmente na produção dos anos de 1950, 1960 e […]

Eu, que não me entendo, que não me acho, E que me perco pelas esquinas do mundo, À procura de respostas para essa louca vida, Só acho perguntas. Eu, que tento me desvendar, continuo um mistério. Eu, que tantas vezes desanimo, acabo nadando contra a corrente. Eu, que quando pareço derrotado, Redobro as forças, recomeço tudo. Eu, que com todas as dificuldades da vida, Teimo, E continuo com meu sorriso insistente. Tarde Tarde